quinta-feira, 9 de julho de 2015



"A HISTÓRIA DE LAURA"

Published on Jun 25, 2014
  • Curta-metragem produzido em Barra do Piraí / RJ. O filme faz parte do Projeto "Luz, Câmera, Educação!", uma parceria da Prefeitura Municipal de Barra do Piraí com a produtora audiovisual Mauá Filmes. Participou do V Festival Internacional Estudantil de Cinema de Barra do Piraí, de 1 a 07 de junho de 2014. Obteve os prêmios de 1º lugar Melhor Roteiro, 2º lugar Melhor Filme, 2º lugar Melhor Áudio, 2º lugar Melhor Direção, 2º lugar Melhor Arte e 3º lugar Melhor Atriz para Daniele Gourito.

    A História de Laura
    Escola Municipal Cortines Cerqueira
    Bairro: Lago Azul
    Mulplicador: Helder Moreira Cardozo

    Sinopse: Laura cresce à beira de uma rodovia e sua imaginação infantil é povoada pelas frases de para-choques de caminhão, pela chegada sempre iminente do padrinho caminhoneiro e pelo desejo profundo de conhecer um parque de diversões. Porém, um dia, a estrada traz seu verdadeiro destino.

    Acesse o catálogo do V FestCine:
    http://issuu.com/festcinebarradopirai
    • Category

    • License

      • Standard YouTube License




    • TESTE DE VELOCIDADE - INTERNET

      Em uma rápida introdução, seus Direitos são os seguintes : Se você tem um plano de 10 Mbps, a velocidade não pode cair para menos de 4 Mbps (ou 40%) em nenhum momento. Mas ela também não pode ficar próxima a esse valor: a velocidade média deve ser de pelo menos 8 Mbps (ou 80%) ao longo de cada mês.…
      jzrobman.comunidades.net|Por comunidades.net





      ATUALIDADES
      http://www.anovaordemmundial.com/2014/05/cientistas-afirmam-que-os-implantes-de-microchips-rfid-em-seres-humanos-nao-serao-opcionais.html

       Cientistas Afirmam que os Implantes de Microchips RFID em Seres Humanos "Não Serão Opcionais"


      segunda-feira, 12 de maio de 2014 |




      Cientista britânico e outros colegas dizem que um novo mundo com massas de populações de pessoas informatizadas é iminente e inevitável. "Chips implantáveis têm o potencial de mudar a própria essência do que é ser humano", diz Gasson. "Não é possível interagir na sociedade de hoje de forma significativa sem ter um telefone celular. Acho que implantes humanos irão pelo mesmo caminho. Será tal a desvantagem não ter o implante que, essencialmente, não será opcional."


      As tecnologias especificamente projetadas para rastrear os seres humanos se encontram em desenvolvimento durante as últimas décadas.

      No mundo virtual, o software agora é capaz de observar em tempo real, chegando inclusive a fazer previsões sobre nosso comportamento futuro e enviar sinais às estações responsáveis de supervisão, dependendo de como os algoritmos de computador interpretam nossas atividades. Isto, por si só, é um cenário preocupante.

      No entanto, o que é mais alarmante é que está acontecendo no mundo real. De acordo com os pesquisadores que trabalham em microchips implantáveis para o uso humano, é só uma questão de tempo antes que os dispositivos tenham aceitação generalizada. Vejam um trecho do artigo do jornal australiano Sydney Morning Herald:
      Provavelment, neste momento você não esteja usando microchips RFID. Se sim, você está enviando um sinal que contem um número de 15 dígitos que o identifica. Este número pode ser lido por máquinas chamadas "leitores de RFID". Que inclusive estão em todas as partes.
      ...
      O cientista cibernético Dr. Mark Gasson, da Universidade de Reading, na Grã-Bretanha, se tornou o primeiro ser humano a ser infectado com um vírus de computador, depois que injetou em si mesmo um microchip em 2009 para controlar dispositivos eletrônicos em seu escritório.
      Gasson e outros cientistas dizem que um novo mundo com populações em massa de pessoas informatizados é iminente e inevitável.
      ...
      "Ele tem o potencial de mudar a própria essência do que é ser humano", diz Gasson. "Não é possível interagir na sociedade de hoje de forma significativa sem ter um telefone celular. Acho que implantes humanos irão pelo mesmo caminho. Será tal a desvantagem não ter o implante que, essencialmente, não será opcional."

      Abaixo o vídeo (em inglês):

      Sua primeira reação a esta ideia poderá ser de descrença. Não há formas de que a sociedade aceite um dispositivo assim. Por que alguém iria querer um implante deste tipo?

      Pense por um momento até onde chegamos. Durante décadas, os americanos tem rechaçado a ideia de poder ser rastreados ou interceptados.

      No entanto, hoje e dia, quase todos os americanos tem um telefone celular com você. Eles são tão comuns que são considerados um direito, até mesmo pressionam o governo a oferecer descontos para aqueles que não podem pagar por um.

      Cada um de nossos telefones funciona como um chip RFID, pois tem um rastreamento através do GPS ou triangulamento de sinal de todos os nossos movimentos. Como se isso não fosse suficiente, o microfone e a câmera que estão em todos os nossos telefones podem ser ativados de forma remota pelos serviços de segurança da polícia, o qual é possível desde a década de 2000. O mesmo vale para notebooks.

      Mas apesar da intrusão destes dispositivos, eles são aceitos no geral por milhões de pessoas no mundo todo. Não é só isso, ninguém teve que nos obrigar a tê-los. Estamos, aparentemente, torturando a nós mesmos. E já pagamos um bom dinheiro para comprar o melhor dispositivo de rastreamento que o mercado tem a oferecer!

      Para desconectar-se da "rede" simplesmente se livre de seu telefone celular. Mas a direção em que estas novas tecnologias vão monitorando, junto com a contínua expansão de vigilância por parte do governo, irão sugerir que a tecnologia do microchip RFID, em algum momento, seja obrigatória.

      Michael Snyder do site "The Truth Wins", perguntou "O que você pode fazer quando você não puder mais comprar ou vender sem a apresentação de identificação biométrica?"
      Esta tecnologia vai continuar a se expandir, e será cada vez mais difícil de ser evitada. E é mais fácil imaginar o que um governo tirano possa fazer com este tipo de tecnologia. Se quiserem, poderão literalmente utilizá-la para realizar um rastreamento dos movimentos e das ações de todos.

      Um dia, esta tecnologia será provavelmente tão difundida, que não será possível abrir uma conta bancária, obter um cartão de crédito, ou inclusive comprar algo sem antes implantar o chip na mão ou no rosto.

      É difícil de imaginar que a população se submeta voluntariamente à escravidão digital. Mas, no caso da desintegração do direitos e da privacidade dos EUA, o certo é que se converta em obrigatório do dia para noite.

      Primeiramente, a tecnologia deve em primeiro lugar ser aceita pela sociedade. Começará a se espalhar como produtos de consumo em tempo real, como o Google Glass. As gerações mais velhas também podem rejeitar, mas em alguns anos, você pode apostar que centena de milhões de adolescentes, crianças e adultos jovens vão correr pelas ruas com óculos de sol esportivos de aspecto interativo, capazes de navegar na Internet e capazes de gravar qualquer coisa online para ver e carregar instantaneamente.

      Então, como já estamos vendo os primeiros "cobaias", os microchips RFID sendo implantados sob a pele, serão oferecidos para fazer tudo, desde o acesso aos edifícios para uma segurança máxima à compras na loja da esquina.

      Finalmente, uma vez que o conceito seja aceito geralmente pela maioria, se tornará em nosso novo "código de imposto". Para ter acesso aos serviços oficiais, os humanos terão que ser marcados. Sem o reconhecimento, não será possível comprar uma cerveja e muito menos receber ajuda médica ou ter licença para dirigir

      Gostemos ou não, este é o futuro que tentarão nos impor. Cada coisa que você comprar e cada passo que der, será feito o rastreamento por um passivo microchip de 15 dígitos, o que significa que a única maneira de "apagá-lo", será eliminá-lo fisicamente de seu corpo.

      Basicamente, em breve vamos viver em um mundo de constante supervisão. Nossos filhos e nossos netos, ou pelo menos a maioria deles, estarão provavelmente, não apenas sujeitos ao sistema, mas também vão pagar um preço alto, para que eles também possam "interagir com a sociedade de maneira significativa".




HERESIAS?


(Obs.: Isto foi extraído da internet, sem corroboração autoral deste.)


Autor: Fulano...
3 de abril às 18:30
Jesus nasceu numa quebrada. Periferia da periferia mesmo.
Passou a vida arrumando treta por questões sociais. Defendeu assassino, ladrão, puta, pobre e leproso.
Juntou uma galera pra defender a causa. Começou a fazer barulho.
Conquistou o desafeto da classe média e da elite(ponto pro cara).
Considerado subversivo, foi preso pelo império.
A classe média pedia pena de morte, mas o crime não a justificava.
Pôncio Pilatos jogou o b.o. pra Herodes. Herodes se ligou na mesma coisa e devolveu o b.o.
Pilatos deixou pra galera decidir. Bem pensado, porque desde aquele tempo, o povo já tava cheio de dateninha linchador.
O cara foi executado ouvindo piadinha de justiceiro.
E não foi morto "entre" bandidos. Foi executado pelo Estado como bandido - subversivo, que de fato era.
Enfim, o messias cristão foi um sujeito pobre, nascido na perifa, engajado em questões sociais, executado como bandido pelo Estado sob os aplausos dos justiceiros.
Então, Jesus, se você estiver lendo isso e pensando em voltar, fica esperto.

Essa "gente de bem" de hoje em dia vai te matar de novo enquanto come bacalhau e ovo de Páscoa.